Mudança em marcha

Em um passado não tão distante, os protestos pelos direitos dos animais atingiram algumas dezenas de pessoas, que frequentemente provocavam mais piadas do que seriedade por parte da maioria da sociedade. Mas, nos últimos anos, começamos a ver o tamanho e o impacto de tais protestos crescer na mídia e na boca das pessoas. Os direitos dos animais, a um ritmo cada vez mais rápido, começam a sensibilizar as pessoas que noutra altura diriam que não têm tempo para isso, que na vida existem formas de fazer certas coisas que são assim e pronto. Num mundo acostumado a tratar os animais como objetos, ou muitas vezes pior, com sadismo e total desprezo, a empatia cresce e a aceitação de certas práticas que se julgavam necessárias, dá lugar à pergunta: precisamos mesmo experimentar produtos cosméticos e medicamentos? em animais? A que preço essa conveniência chega até nós?

Para quem não ouviu falar do caso #RescateVivotecnia: no início de abril a organização Cruelty Free International publicou uma reportagem sobre os abusos contra cães, coelhos, macacos e ratos cometidos por funcionários da empresa Vivotecnia, um laboratório de experimentação com animais em Madrid. A comunidade de ativistas pelos direitos dos animais se mobilizou para exigir a libertação desses animais, e um grupo de 500 manifestantes protestou em frente à sede da empresa no dia 11 de abril. Eles receberam uma resposta positiva sobre o resgate da Direção Geral dos Direitos dos Animais, conforme explicado pela Fundação Santuário de Gaia neste artigo. Após um mês e meio dessa resposta, os animais ainda estão sob custódia de Vivotecnia e o resgate não foi possível.

Para aqueles que acreditam na justiça, embora às vezes muito lenta, não havia outro senão insistir no resgate, e assim uma nova manifestação foi organizada para o dia 29 de maio.

Lá fui eu, de Barcelona em um ônibus alugado pela Anima Naturalis, 7 horas de viagem na sexta à noite, equipado com minha câmera, a camiseta dA Utopia Vegana e muito motivado em fazer parte de um ato de resistência, ao qual queria ajudar a dar voz por meio de fotos, vídeos e reflexões como esta. Não esperava a magnitude do que estava prestes a presenciar, entre 2.000 e 3.000 pessoas marchando pelos animais, em grupos que vinham de várias províncias da Espanha, do País Basco, da Galiza, da Catalunha, até das Ilhas Canárias.

© Vitor Schietti

“Se há tortura, não é mais ciência” era uma frase popular entre a multidão. Em outro instante, era “Não vamos parar até que chegue o dia em que todas as jaulas estejam vazias” ou “Libertação Animal!” E “Vivotecnia assassina!” Enquanto caminhava pela demonstração de uma ponta a outra, gritava por trás da câmera, mas esperava o momento de gritar também algo como “Seja vegano” ou “o futuro é vegano”. A oportunidade nunca apareceu, as demandas eram mais específicas, não iam tanto para o lado da filosofia vegana. Mencionei isso a Alex Monplet, um ativista que também esteve presente e tem mais de 10 anos de experiência em organizações como Animal Equality e Fundación el Hogar, que me explica: “Considero que protestos como o de sábado são uma porta de entrada para pessoas com uma certa sensibilidade contra o abuso de animais e que com o tempo podem ser potenciais aliados, dedicando parte do seu tempo ao ativismo ou mesmo se dedicando profissionalmente a ele, como é o meu caso. E também, é claro, eventualmente tornando-se veganas. Mas acho que esses protestos não são o lugar para usar termos como veganismo, já que o que precisamos nesse tipo de ações é ter o máximo de pessoas possível. E o uso do termo veganismo pode ser um impedimento para que os não-veganos não se sintam confiantes em fazer parte”.

Outro ativista experiente e fotógrafo cujas algumas fotos ilustram este artigo, Roland Los, explica: “Você quer assistir a um show do ACDC, espera vê-los aparecer! Cada um de 23 artistas vê você cantando sua música favorita ou o ACDC apenas toca uma música? Deixaria de ser um concerto do ACDC e passaria a ser um “festival de música”. Pois bem, nesta manifestação, reúna três mil pessoas para pedir ou fechar uma empresa que te maltrata. Não estamos lá para pedir ou assinar touradas, não estamos lá para pedir que sejamos mais ecológicos, não estamos lá para pedir ou assinar a caça … Não estamos lá para mostrar pelos ´direitos dos animais.´ Temos um propósito específico e temos que dar Uma mensagem clara e contundente, fechar a Vivotecnia e libertar os animais aí mantidos.  Se outras mensagens mais amplas fossem lançadas, o principal se dilui e não é mais tão contundente. “

©Vitor Schietti

No entanto, a jovem ativista Carlota Lopez, 22, que participa de ações sobre os riscos do aquecimento global limpando praias e bosques e que leva uma vida que gere o mínimo possível de resíduos, defende outro ponto de vista. “Acho que a palavra ‘veganismo’, infelizmente, foi muito distorcida por ser usada como sinônimo de dieta. Acredito que, neste caso, o uso dessa palavra tenha sido evitado por esse motivo e também pela estigmatização que acarreta. O não uso do termo “veganismo” nesta demonstração me parece que também foi motivado pelo fato que a mídia tradicional costuma ignorar algo que contém esse termo mas pode apoiar algo que tenha “crueldade contra os animais”.

 

Lamento que em manifestações desta magnitude estes termos sejam ignorados devido ao risco de não atingir tantas pessoas. Na minha opinião, deveria ser justamente o contrário, num contexto como o desta demonstração é muito mais fácil para os não-veganos sentirem empatia pelos animais que estão encerrados em matadouros da mesma forma que sentem pelos animais trancados em um laboratório como o de Vivotecnia”.

©Roland Bos   rolandinyo.com

Rolan e Alex também estiveram em uma manifestação anterior pelo fim das touradas, em Madrid. Rolan conta como “a mensagem também foi única e muito clara, teve um grande impacto em todo o planeta! As pessoas que viram aquela manifestação e os que viram a deste sábado, abriram os olhos para algo que não conheciam, experimentação animal neste caso, e através das mensagens que foram lançadas e das imagens que foram mostradas, já eles estarão mais predispostas a falar sobre abuso de animais que não ocorre apenas em laboratórios, e talvez fiquem mais interessadas ​​no veganismo. ” Alex, por sua vez, questiona “o que devemos fazer para que o caso Vivotecnia sirva de impulso para o debate sobre a experimentação animal na sociedade ? Devemos olhar como o caso Toro de la Vega mobilizou organizações e coletivos para conseguir sua abolição? Nada mobilizou tanta gente no movimento como os protestos contra o Toro de la Vega e as touradas”.

Rosana Pesaresi pertence a uma geração anterior, acredita que a mudança está chegando, embora tarde. “Certamente muitos dos objetivos que me movem como protecionista não os verei cumpridos na vida. Mas eu provei empiricamente que as novas gerações irão alcançá-los. Há muito sangue jovem sábio, muito preparado e com muitas ferramentas para realizar a transformação social que nossos antecessores iniciaram.” Empiricamente mais alinhado com Alex e Roland, ela conta que “para despertar a visão de quem ainda não o vê dessa forma, penso que devemos aplicar o método de “devagar e sempre ”. Não podemos perder nenhuma oportunidade de deixar nossa posição clara; mas pretender que quem não compartilha dessa visão possa assimilar tudo de uma vez, acho que nos afasta do objetivo. É claro que sempre há risco de falar sobre veganismo, mas desta vez nos encontramos para mostrar ao público os horrores por trás da experimentação animal aparentemente necessária e insubstituível”.

© Vitor Schietti

Quando falo com ele sobre a diferença entre pedir o aprimoramento das práticas com os animais de teste, neste caso específico, e a abolição da exploração animal como um todo, ele ressalta que “Não queremos que sejam melhor tratados, exigimos que toda experimentação com animais seja proibida.”

 

Falar ou não falar diretamente sobre o veganismo em manifestações como essa tem seus prós e contras. Se, por um lado, minha paixão pela causa vegana me aproxima da visão de Carlota, pode ser que para melhor alcançarmos o que buscamos, um mundo vegano, a cadência das ações deve respeitar uma estratégia mais amigável para os não-veganos, e que portanto seja específica em seus objetivos.

© Vitor Schietti

De uma forma ou de outra, uma coisa ficou clara: os animais não têm voz capaz de falar nas línguas que os humanos inventaram, embora sejam especialistas na linguagem do amor. As suas vozes crescem em cada um dos que marcharam em Madrid e em todos os lugares onde as manifestações públicas insistem para que se vejam as cruéis e arcaicas realidades a que ainda estão submetidos.

Até a publicação deste artigo, os animais Vivotecnia continuam aguardando seu resgate, sem saber que fora das paredes frias do laboratório que os aprisiona há cada vez mais pessoas despertando para a mudança que já está ocorrendo.

Como Rosana deixa claro, “vamos continuar nossa missão até que a última jaula esteja vazia!”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Share this post with your friends

Rolar para cima